Tuesday, March 25, 2008

Letargia


Não gosto quando não dizes tudo o que sabes... Quando sinto que me escondes algo, que eu sei não ser para meu bem, mas para teu... Quando não falas abertamente... Detesto quando te contradizes e algo me escapa... Odeio esses momentos e a dúvida caí-me como uma espada sobre os ombros...
Não desejo carregar este peso para todo o lado... De adormecer em sobressalto e não saber porquê...

Às vezes pareço sentir saudades dos momentos em que era apenas eu, sózinha, mergulhada nos meus sonhos, perseguida pelos meus fantasmas... Ao menos esses eu já conhecia, já nada fariam para me magoar... Eram apenas reflexos de tempos idos...

Quando olho no meu íntimo, mesmo por debaixo da pele, onde ninguém pode chegar, vejo coisas que me arrepiam, como se um outro mundo vivesse em mim... Faço por me afastar, mas a atracção por esse abismo é tal que mergulho nele durante horas... Em letargia...

Realidade ou ilusão, qual a minha escolha?
A realidade custa-me, prende-me, arde-me...
Procuro medir tudo o que existe de bom e pesar em contraste com o que me dói... E às vezes não sei se chega para cobrir feridas antigas...


Some things are better left unsaid,
somethings are better forgotten
and some things are better held inside...
... If I only knew wich one to choose...

Não te quero senão porque te quero,
e de querer-te a não te querer chego,
e de esperar-te quando não te espero,
passa o meu coração do frio ao fogo.
Quero-te só porque a ti te quero,
Odeio-te sem fim e odiando te rogo,
e a medida do meu amor viajante,
é não te ver e amar-te,
como um cego.

Tal vez consumirá a luz de Janeiro,
seu raio cruel meu coração inteiro,
roubando-me a chave do sossego,
nesta história só eu me morro,
e morrerei de amor porque te quero,
porque te quero amor,
a sangue e fogo.


Pablo Neruda


4 comments:

Shutter said...
This comment has been removed by the author.
Shutter said...

Não quero acreditar que tudo um dia foi tão bonito…
Recuso-me a aceitar que fui feliz…
Não posso pensar porque tudo mudou!
Não quero ter a certeza de que nada será como antes…
Mas tenho consciência disso…

Nego!
Volto a negar!
E nego mais uma vez!
Mas eu gosto de ti…

Fallen, The Countess said...

Epa.... Isso é original teu?! Sim Sr... Gosto!!!

antónio said...

Palavra puxa palavra, blogue puxa blogue, e vim parar aqui. Parar não digo, por pudor...! Então encontro um blogue parecido com o meu, quanto ao design (é assim que se escreve?), uma citação do meu querido Neruda e um corpo lindo que, este sim, faz toda a diferença em relação a mim. Portanto... Adeus e felicidades.